segunda-feira, 20 de outubro de 2008

O Amante, Marguerite Duras e a beleza estrangeira da estrangeira



Acabei há poucos dias de ler O Amante de Marguerite Duras. Um livro triste, sem beleza literária suficiente para sublimar a tristeza. Parece que autobiográfico. A narração é irregula, caótica, confusa a nível temporal.
Há cenas de alguma sensualidade e poesia mas não há intimidade do leitor com as personagens: estas nem sequer têm nomes próprios: fala da adolescente magra de chapéu masculino e sapatos dourados, a mãe sofredora, o irmãozinho que morre, o idolatrado e cruel irmão mais velho, o homem chinês de Cohén…não posso dizer que tenha gostado.
Houve momentos melhores, como a súbita alegria da mãe quando lava a casa perfumada com o “cheiro delicioso da terra molhada depois da tempestade” e a descrição da “estrangeira”, Betty Fernandez (esta ainda tem nome).
“As pessoas param e olham maravilhadas a elegância desta estrangeira que passa sem ver. Soberana. Não se percebe logo de onde ela é. E depois dizemo-nos que não pode ser senão de fora, senão daí. É bela, bela por esta incidência. Veste-se com os velhos trapos da Europa, com restos de brocados, com velhos saia-e-casaco fora de moda, com velhos cortinados, com velhos restos, velhos retalhos, velhos farrapos de alta costura (…) a sua beleza é assim, rasgada, friorenta, soluçante e de exílio, nada lhe fica bem, tudo é grande demais para ela, e é bonito, ela bóia, demasiado magra, nada se lhe ajusta e, no entanto, é bonito. É feita assim, na cabeça e no corpo, de modo que cada coisa que a toca participa desde logo, indefectivelmente, dessa beleza”.
Gosto desta descrição da estrangeira, porque toda a sua beleza é estrangeira, inesperada, diferenciada e no entanto indiscutível. E eu quase que reconheço esta beleza friorenta e demasiado magra, a nadar dentro das roupas vintage em imagens de pessoas que já vi, na sua beleza intelectual.

Para uma opinião distinta da minha sobre este livro podem ler este texto publicado no blogue HÁ SEMPRE UM LIVRO...à nossa espera!

2 comentários:

chevry disse...

Pois eu considero que a escrita de Duras é inteiramente intimista.

Ana T. disse...

Chevry,
Todas as opiniões semelhantes ou distantes das minhas são bem vindas.
Eu não consegui entrar na intimidade de Duras mas sei que muitos leitores a apreciam pelo seu estilo intimista. Daí o meu link para uma opinião inteiramente distinta da minha.
Obrigada pela visita e pelo comentário
Ana

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin