sábado, 25 de março de 2017

A ouvir a "História" de Diogo Piçarra


sexta-feira, 24 de março de 2017

8 dicas para escrever boas resenhas de livros / "8 tips for writing good book reviews"



Janice Harayda é escritora, jornalista e fundadora do site  One-Minute Book Reviews.

Aqui fica a transcrição das suas 8 dicas para escrever boas resenhas de livros:

1. Seek out books that you can review uniquely well, and say what you alone can say about them.

2. Report facts accurately. Every reviewer’s judgments are at times flawed. But you can build trust with readers, authors, and publishers by getting the facts right even if you’re wrong about the merits of a book. Don’t trust your memory. Go back and check every fact and quote, and the spelling of every character’s name, before you post a review.

3. Answer these questions in every review: What makes this book different from all others? And why should anyone care?

4. Write conversationally. Read your reviews aloud and rewrite or cut anything you wouldn’t say to your smartest friend.

5. Purge your work of “reviewese,” words and phrases you see mainly or only in reviews. Avoid more than obvious clichés such as  “a must-read,” “ripped from the headlines” and “sends chills down your spine.”  Kill “relatable,” “unputdownable” and other publishing-industry neologisms, too.

6. Criticize the book, not the author, if you don’t like what you’ve read. Focus on what’s on the page, not a writer’s character defects.

7. Never review a book by a friend or an enemy. Make this part of a strict ethics code that includes avoiding any conflict of interest or appearance of a conflict. (The trouble is, as others have noted: You don’t know who your enemies are until you review their books.) If an editor asks you to review a book and you have a conflict of interest, say so before you accept the assignment. Have you and the author interacted on Facebook, Twitter or in real life? Editors may or may not consider those conversations a conflict, so spell them out before you before you take an assignment. If you’re reviewing a book for your own blog, disclose any conflicts in the review or a tagline at the end.

8. Find paper mentor, a great critic whose work you love. Read his or her work regularly and take it apart to see how it works. Hand copy the critic’s reviews or parts of them (with a pen or by typing them into a computer) to absorb their rhythm and structure.

© 2013 JaniceHarayda. Fonte: NetGalley


quarta-feira, 22 de março de 2017

"Gajas e pinga: Vamos falar de política europeia" ... Para nos rirmos de Dijsselbloem :)

É mais uma Mixórdia de Temáticas, de Ricardo Araújo Pereira, para a Rádio Comercial:



:)


Os 13 escritores mais bem pagos em 2016 / 2016 best paid writers





Todos os anos, a Forbes revela a lista dos escritores que, ao longo desses doze meses, lucraram mais com os seus livros. Aqui fica a lista dos 13 sortudos:

13 – Dan Brown – 9,5 milhões de dólares (8,9 milhões de euros) — Só no último ano, o autor de “O Código Da Vinci”, “Anjos e Demónios” ou “Inferno” conseguiu angariar 8,9 milhões de euros. Editora nos EUA: Penguin Random House / Editora em Portugal: Bertrand.

12 – Rick Riordan
– 9,5 milhões de dólares (8,9 milhões de euros) — O autor de uma das grandes séries infanto-juvenis, “Percy Jackson”, viu alguns dos seus livros serem adaptados ao cinema e continua ativamente a escrever sobre outros braços da mitologia e do mundo sobrenatural além das aventuras do seu herói original, Percy. Editora nos EUA – Disney Hyperion / Editora em Portugal – Planeta.

11 – George R. R. Martin
– 9,5 milhões de dólares (8,4 milhões de euros) — O autor da saga “Uma Canção de Fogo e Gelo” não publica um livro há seis anos e tem o mundo inteiro à sua espera, mas ainda entra na lista dos autores mais bem pagos devido aos honorários que recebe da série adaptada dos seus livros. Editora nos EUA – Random House / Editora em Portugal – Saída de Emergência.

10 – Paula Hawkins – 10 milhões de dólares (9,3 milhões de euros) — Uma das grandes estreias da lista do ano passado foi a autora de “A Rapariga no Comboio”. Antes do lançamento desta obra, Hawkins não era muito conhecida, mas o thriller mais lido do ano passado transportou-a diretamente para os tops de todo o mundo. Editora nos EUA – Penguin Random House / Editora em Portugal – 20|20 Editora.

9 – John Green
– 10 milhões de dólares (9,3 milhões de euros)
“A Culpa é das Estrelas” e “Cidades de Papel”, duas das suas obras mais conhecidas, já foram adaptadas para o cinema. “À Procura de Alaska” e “Uma Abundância de Katherines” ainda não, mas tendo em conta a receita dos dois primeiros, que Green ainda está a receber, há a possibilidade de também serem. Editora nos EUA – Penguin Random House / Editora em Portugal – LeYa.

8 – Veronica Roth
– 10 milhões de dólares (9,3 milhões de euros) — A autora de uma das séries mais populares entre o público infanto-juvenil, “Divergente”, lançou já este ano uma nova obra, mas no ano passado, mesmo sem contar com ela, ainda lucrou 9,3 milhões de euros. Editora nos EUA – Harper Collins /Editora em Portugal – Porto Editora.

7 – Stephen King
– 15 milhões de dólares (14 milhões de euros) — Outro membro veterano da lista dos mais bem remunerados é outro elemento da realeza, desta vez do horror e do sobrenatural. No último ano, King conseguiu mais de 14 milhões de euros com as suas obras, e no final do verão deste ano vai chegar mais uma adaptação ao cinema de uma delas. Editora nos EUA – Doubleday / Editora em Portugal – Bertrand.

6 – E. L. James
– 14 milhões de dólares (13,1 milhões de euros) — Graças à trilogia erótica “As Cinquenta Sombras de Grey”, à qual se juntou este ano um quarto volume, “Grey”, rendeu à autora a entrada na lista dos vips. Editora nos EUA – Random House / Editora em Portugal – LeYa.

5 – Danielle Steel – 15 milhões de dólares (14 milhões de euros) — Uma das autoras românticas mais bem-sucedidas em todo o mundo continua na lista ano após ano. Ao todo, já conta com 129 obras publicadas. Editora nos EUA – Delacorte Press / Editora em Portugal – Bertrand.

4 – Nora Roberts
– 15 milhões de dólares (14 milhões de euros) — A rainha do romance norte-americano conseguiu a mesma soma que Steele, e continua imparável. Já tem mais de 200 livros editados e, por ano, dá aos leitores mais cinco razões para sorrir. Editora nos EUA – Penguin Random House / Editora em Portugal – Saída de Emergência.

3 – J. K. Rowling
– 19 milhões de dólares (17,7 milhões de euros) — A autora britânica mais lida das últimas décadas, autora da série infanto-juvenil mais lida de sempre, “Harry Potter”, continua de pedra e cal na lista dos mais bem pagos do mundo. Editora nos EUA – Bloomsbury / Editora em Portugal – Porto Editora.

2 – Jeff Kinney – 19,5 milhões de dólares (18,2 milhões de euros) — Outra das presenças habituais na lista dos autores mais bem pagos é Jeff Kinney, graças à sua série O Diário de um Banana, uma das mais populares entre o público infanto-juvenil. Editora nos EUA – Abrams / Editora em Portugal – Booksmile (20|20 Editora).

1 – James Patterson
– 95 milhões de dólares (88,9 milhões de euros) — É, por uma larga margem, o autor mais rico do mundo. Só no último ano, ele e os seus escritores-adjuntos publicaram mais de uma dúzia de livros, numa autêntica indústria. Editora nos EUA – Hachette Book Group / Editora em Portugal – TopSeller.


terça-feira, 21 de março de 2017

Hoje é o Dia Mundial da Poesia! / Today is World Poetry Day!



Dia Mundial da Poesia: um poema "sobre um poema"


"Escrever com o coração", Fernando Vicente



Sobre um Poema



Um poema cresce inseguramente
na confusão da carne,
sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.


Fora existe o mundo. Fora, a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as raízes minúsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
os rios, a grande paz exterior das coisas,
as folhas dormindo o silêncio,
as sementes à beira do vento,
- a hora teatral da posse.
E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.


E já nenhum poder destrói o poema.
Insustentável, único,
invade as órbitas, a face amorfa das paredes,
a miséria dos minutos,
a força sustida das coisas,
a redonda e livre harmonia do mundo.

- Em baixo o instrumento perplexo ignora
a espinha do mistério.
- E o poema faz-se contra o tempo e a carne.




Herberto Helder

Fonte: Citador

domingo, 19 de março de 2017

Ainda António Lobo Antunes: para ele, não escrever é ficar doente.




"O que posso fazer? (...) Quando não escrevo não me sinto bem, sinto uma espécie de angústia; uma coisa física difícil de explicar. Tenho a impressão de que me fizeram para escrever."

"Às vezes penso que talvez tenhamos nascido com certo número de livros cá dentro. Se eu não os escrever, a minha vida não tem sentido."

António Lobo Antunes

sábado, 18 de março de 2017

António Lobo Antunes: "O cancro é uma puta, senhor Barata. Livre-se!"



António Lobo Antunes recebeu esta quarta-feira à noite o prémio "Vida e Obra" da Sociedade Portuguesa de Autores. Numa raríssima aparição num evento público, o escritor subiu ao palco, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, para receber o prémio e fazer um pequeno discurso.

Até um pequeno discurso deste homem é genial e comovente!

A partir do minuto cinco, Lobo Antunes começou a falar de (e com) um tal de senhor Barata, um senhor que almoça sempre sozinho. A história comoveu a audiência (e a mim também). Veja o vídeo:





Um prémio muito merecido!

sexta-feira, 17 de março de 2017

Campo de Ourique vai receber uma Feira do Livro de Poesia. E começa já este fim de semana



"A partir de sexta-feira, o Jardim da Parada, em Campo de Ourique, vai receber uma feira do livro dedicada exclusivamente à poesia. Uma programação complementar promete animar o bairro até 21 de março.

O Jardim da Parada, em Campo de Ourique, vai voltar a receber uma Feira do Livro de Poesia. Organizada pela Casa Fernando Pessoa, juntamente com a Junta de Freguesia de Campo de Ourique e a Livraria Ler, a livraria do bairro, a iniciativa começa já esta sexta-feira e prolonga-se até 21 de março, Dia Mundial da Poesia.

Além da feira propriamente dita, haverá ainda um programa de atividades que inclui leituras de poesia, oficinas para crianças, visitas guiadas (a preço de desconto), passeios pelo bairro e concertos. Segundo um comunicado emitido esta quarta-feira pela Casa Fernando Pessoa, a grande novidade da edição deste ano da Feira do Livro é a presença de vários editores independentes de poesia, com uma representação “bastante exaustiva”.

E como em toda a Feira do Livro que se preze, também não faltarão sessões de autógrafos. No sábado, pelas 16h, passarão pelo Jardim da Parada Matilde Campilho, Cláudia R. Sampaio, Rui Cóias e António Carlos Cortez. Às 17h, estará disponíveis para autógrafos Lília Tavares. No dia 21, terça-feira, às 17h30, será a vez do angolano Ondjaki (que participa esta semana no Festival Literário da Madeira), de António Carlos Cortez e de Fernando Pinto do Amaral.

A Feira do Livro de Poesia de Campo de Ourique será oficialmente inaugurada esta sexta-feira, às 16h, mas estará a funcionar a partir das 12h. O horário de encerramento é às 20h. No sábado, porém, fechará mais tarde (às 22h). O programa completo pode ser consultado aqui".



quarta-feira, 15 de março de 2017

Escrita: "80% do necessário para o sucesso é aparecer" / Writing: the "discipline of showing up"

Jeff Goins também é um defensor acérrimo de escrever diariamente. No seu artigo "Por que você precisa de escrever todos os dias":

"A ideia é repetição — desenvolvendo uma disciplina de aparecer, fazendo a isto uma prioridade e trabalhando apesar da resistência.

Se você quiser escrever, você precisa começar a escrever todos os dias. Sem perguntas, sem exceções feitas.

Afinal, não é um passatempo de que estamos a falar; é uma disciplina".


A tradução acima é minha. Deixo abaixo o texto original em inglês:

"Jeff Goins is also a wonderful proponent of writing daily. This is from his article ‘Why you need to write every day’:

‘The idea is repetition — developing a discipline of showing up, making this a priority, and working through The Resistance.

If you want to get this writing thing down, you need to start writing every day. No questions asked, no exceptions made.

After all, this isn’t a hobby we’re talking about; it’s a discipline".

Fonte: The Writing Cooperative, em 5 de março de 2017


Já Woody Allen diz que

"80% do necessário para o sucesso é aparecer".



sábado, 11 de março de 2017

7 citações sobre bibliotecas (devidamente comentadas)

Leslie Herman




Há pessoas que têm uma biblioteca como os eunucos um harém.

Victor Hugo

(é verdade, há quem colecione livros como meros objetos de decoração, depois arrumam-nos por cores ou alturas, e ficam só a olhar para eles, sem curiosidade, sem espírito de aventura para desbravar os novos mundos que habitam as suas páginas...numa espécie de impotência intelectual!)


No Egipto, as bibliotecas eram chamadas "Tesouro dos remédios da alma". De facto é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.

Jacques Bossuet


A maior parte do tempo de um escritor é passado na leitura, para depois escrever; uma pessoa revira metade de uma biblioteca para fazer um só livro.

Samuel Johnson

Se temos uma biblioteca e um jardim temos tudo.

Marcus Cícero

(aqui o Cícero exagera um bocadinho, adoro livros e jardins mas há amores ainda maiores que constituem o TUDO da minha vida...)



Pela grossura da camada de pó que cobre a lombada dos livros de uma biblioteca pública pode medir-se a cultura de um povo.

John Steinbeck

(é por estas e por outras que guardo os meus livros numa estante com portas de vidro. Assim não tiram conclusões sobre as minhas ignorâncias e sobre há quantas semanas não limpo o pó ;)...)



Toda uma biblioteca de Direito apenas para melhorar em quase nada os Dez Mandamentos.

Millôr Fernandes

(O homem não deixa de ter uma certa razão!)



Nenhum lugar proporciona uma prova mais evidente da vaidade das esperanças humanas do que uma biblioteca pública.

Samuel Johnson

(Oh Samuel, não é vaidade, é auto-estima, homem! Um bocadinho de vaidade nunca fez mal a ninguém!)

quinta-feira, 9 de março de 2017

O humor corrosivo de Ruben Bolling em relação a Donald Trump / The corrosive humor of Ruben Bolling´s cartoons about Trump


Com quase 30 anos de vida, “Tom The Dancing Bug”, publicado ao longo das décadas em vários jornais e que, todos os dias, pode ser visto no site BoingBoing.net, acaba de ser distinguido com o prémio Herblock Prize Award, na categoria de cartoon editorial. 

Porquê agora? Porque ao longo de 2016, marcado pelas eleições norte-americanas, por vários acontecimentos 'nonsense' e pela inesperada (?) vitória de Donald Trump, a acutilância política dos desenhos de Ruben Bolling fez-se sentir.Confirmem abaixo.

Clique na imagem para aumentar.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin